25.5.15

CARTOGRAFIAS DA MORTE LIVRE 
NA «LETRA E»

A «Letra E» do Espaço Lansol vai receber no próximo domingo – atenção à mudança do dia, que desta vez será domingo e não sábado! – o novo livro de João Barrento, Como um Hiato na Respiração. Diário do dia seguinte (edição Averno). Este diário, em que o autor entra frequentemente em diálogo com M. G. Llansol (e muitas outras figuras da literatura, da filosofia, da arte, do cinema...) a propósito do que  aí se designa  de «morte livre», será comentado pelo escultor Rui Chafes em conversa com o autor. Haverá leitura de textos de Llansol e do novo diário, e estarão também presentes os editores (os poetas Manuel de Freitas e Inês Dias) e Catarina Domingues, autora do desenho que serviu de base à capa. Deixamos aqui a informação sobre esta sessão e uma breve apresentação do diário pelo autor.



11.5.15

«LETRA E»: EROTISMO E AMOR ÍMPAR


Tarde de «amplitude ilimitada», diria Llansol, a de sábado  na  «Letra E».  Também de beleza,  com o sopro  do  desejo  e  a presença,  entre  etérea  e  física,  dos  corpos  de  onde  emanava  a  palavra  de Llansol  em  Contos  do  Mal Errante.  Corpos  jovens,  de estudantes  do  primeiro ano  do  curso  de teatro  da  ESAD  (a  Escola de Artes e  Design das Caldas da Rainha),  que vieram  até nós  com um conhecido actor  e seu professor  – Diogo Dória –  que,  como se percebeu, cultiva uma relação  com estes seus estudantes como aquela do pequeno poema fragmentário que Brecht escreveu um dia: 

                               Não digas muitas vezes que tens razão, professor!
                               Deixa que o aluno o reconheça!
                               Não puxes de mais pela verdade: Ela não aguenta.
                               Ouve quando falas!



M. G. Llansol: fragmentos inéditos sobre erotismo e amor ímpar 

A Jéssica, a Raquel, a Rita, o Guilherme, o Samuel e o Daniel formaram um elenco prometedor e responsável que fez reverberar na «Letra E» os ecos do «amor ímpar» e da escrita do erotismo sublime de Llansol, numa sequência extraída de Contos do Mal Errante. O cenário, para além de alguns dos quadros que a pintora Ilda David' fez a partir deste livro, foi o das colagens e dos desenhos eróticos de Augusto Joaquim, em papel (com destaque para o «Círculo da com-paixão», contemporâneo da escrita de Contos do Mal Errante, no início dos anos oitenta) e outras séries, em formato digital (bitmap), que continuamente iam sendo projectadas no tecto.



O video que se segue mostra algumas dessas sequências digitais:


O tema foi introduzido por João Barrento, com particular destaque para o esclarecimento da noção llansoliana do «amor ímpar», que constitui o centro ideativo da trama – não psicológica, mas, à sua maneira, «transcendental» – desse livro singular no contexto da segunda trilogia de Llansol, e da relação triádica que se desenrola na «mansão na neve», sob o fundo das tensões e contradições do radicalismo anabaptista da cidade sitiada de Münster – entre a figura solar, da totalidade do cosmos e do Amor, que é a de Copérnico; a de Isabôl, que gere os rituais do amor a partir dos princípios da des-possessão e do amor ímpar, da recusa do dualismo ou da pretensa perfeição do hermafrodita; e a de Escarlate (alter ego de Hadewijch, a beguina do amor místico), figura da beleza e da pujança do corpo, da entrega e da resposta, não isenta de medo, ao apelo de Eros.



Os «Contos do amor ímpar» resultaram assim, nas vozes e nos gestos, perfeitamente ajustados ao texto, destes jovens actores, num quase-canto onde erotismo e amor ímpar emergiram como a «sintaxe das imagens de atracção e repulsa que traça a moldura do que é o tema fundamental deste livro: a alquimia do encontro» (Eduardo Prado Coelho, em 1986), a busca dessa outra pedra filosofal que é a do amor como conhecimento e libertação. Estamos perante a «invenção e crise do amor ímpar» (Manuel Gusmão, posfácio à 2ª edição de Contos do Mal Errante), a lei fundamental da harmonia inquieta do universo (da atracção e repulsa dos corpos celestes, que Copérnico conhece bem), e a esperança de que a figura final do humano não seja, nem a da completude estéril do hermafrodita, nem a da «solidão perfeita do par». É o não de Llansol a toda a dialéctica, ao rejeitar os dualismos resolúveis para afirmar a tensão produtiva e o lugar do Aberto como pressupostos vitais da energia desejante que rege os corpos. 


Isto acontece, em Contos do Mal Errante, com a vinda do terceiro elemento, Escarlate, o terceiro incluído de que vive o amor ímpar. O ímpar é sempre o terceiro, o que acontece e vem do exterior, respondendo ao apelo. Num dos cadernos da fase de escrita deste livro, Llansol escreve: «É necessário que haja o número ímpar. A fenda simbólica [lugar de penetração, mas também de separação, entenda-se!] tem a sua correspondência simbólica no número ímpar». O terceiro é sempre incluído, e sempre outro – podendo mesmo ser um não-humano, já que o âmbito do amor ímpar é cósmico, não psicológico, e a sua lei a de uma lógica impessoal estranha ao eu, mas conhecida dos corpos celestes que Copérnico, o astrónomo, acompanha. 


Aqui, o desejo que rege essa atracção é o motor – instável-imóvel – da relação erótica – que não é simplesmente amorosa ou sexual. Só assim se poderá entender a «intuição» de Llansol (num caderno já tardio) de que «o amor ímpar é um impulso humano de santidade». Santidade, naturalmente, em sentido spinioziano, e não religioso: trata-se aqui de uma noção estética, da beleza de corpos disponíveis – com a alma à vista. Neste universo, diz um dos fragmentos lidos, «ninguém cobre o rosto com um embuste».


4.5.15

LLANSOL, EROTISMO E «AMOR ÍMPAR 
NA «LETRA E»

A Obra de M. G. Llansol é atravessada por uma vibração manifesta ou discretamente erótica, que pode dar por vários nomes, de «luar libidinal» a «sexo da paisagem», de «sensualética» ou do próprio «corp' a 'screver» à noção  central de «amor ímpar». Desta se ouvirá falar e ler no sábado, dia 9 de Maio, pelas 16 horas, na «Letra E» do Espaço Llansol. Da Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha vêm os professores e actores Diogo Dória e Guilherme Mendonça, e um grupo de cinco estudantes de teatro, que farão uma leitura encenada de alguns capítulos do livro Contos do Mal Errante, provavelmente aquele em que o filão do erotismo se encontra mais presente de forma concentrada. Desse livro fica um excerto extraído dos que vão ser lidos:
«                  ao fim de algum tempo,  já que o homem que 
eu amava, e me amava, a amava também a ela,  principiei 
a sentir o desejo de acariciar o seu corpo; não só para avaliar
 por mim a qualidade do sentimento que ele podia ter
 por ambas


mas porque descobrir a minha paciência (ousadia),

num campo tão cheio de emboscadas como o do amor
 ímpar,

me era necessário.
  
Louvada seja esta mansão na neve — ninguém cobre 
o rosto com um embuste. 
[...]
Pondo a mão entre o ventre de Escarlate e o princípio
 da carne penetrante de Copérnico, noto que entre se tornou convosco, e que já nada pode entravar esta palavra, compeli-la a indicar separação. Para obtermos tudo 
isto, submetemo-nos a um exercício simultâneo do corpo
 e do pensamento. Agora temos um percurso, porque o gémeo quebrou-se.»


João Barrento introduz o tema, e mostraremos pela primeira vez todo o acervo de desenhos e colagens, em papel e digitais, de Augusto Joaquim.  E ainda algumas das pinturas feitas por Ilda David' para a segunda edição de Contos do Mal Errante.

3.5.15

LLANSOL EM FRANÇA


A tradução francesa de Onde Vais, Drama-Poesia? continua a fazer o seu caminho  e a despertar a atenção da crítica e de leitores especiais em França. Desta vez com uma breve mas entusiástica nota na revista online La toile de l'un.

29.4.15

LLANSOL E HÖLDERLIN EM ESPANHA

A revista madrilena La Galla Ciencia publica na sua edição online de 28 de Abril um artigo de João Barrento em que este segue, a partir da escrita nos cadernos e outros papéis do espólio, o percurso da figura de Hölderlin na escrita de M. G. Llansol, até à publicação de Hölder de Hölderlin, e depois ainda até livros como Onde Vais, Drama-Poesia?Os Cantores de Leitura


Pode ler-se clicando aqui, em tradução do «ambo» que dá pelo nome de Atalaire. O nosso obrigado ao Mario!

19.4.15

NASCIMENTO E DEVIR DE NIETZSCHE   EM LLANSOL

A tarde de sábado na «Letra E» foi de uma luminosidade e de uma vibração fora do comum. Isabel Santiago, professora de Filosofia e legente de longa data, iluminou as fulgurações do filósofo no texto de Llansol de forma viva e empenhada, com uma intervenção entrecortada por leituras previamente escolhidas e que a Isabel nos trouxe em cartões delicadamente elaborados, dentro de uma caixa não menos preciosa, um trabalho da amiga e colega Anabela. Com as leituras veio também, para além da exposição da Isabel, a audição de uma peça musical composta por Nietzsche a partir do Manfred de Byron, intitulada Manfred-Meditation.


Recriamos o ambiente da tarde, com a voz de Isabel Santiago na parte inicial da sua exposição, fotos do ambiente e de algumas das muitas peças do espólio expostas, e ainda outra composição musical de Nietzsche, no video que se pode ver a seguir:


O texto-base da intervenção da tarde por Isabel Santiago pode ser lido ou descarregado abaixo:


E, como é habitual, os que vieram puderam também levar consigo mais um «Caderno da Letra E» («O homem do livro»: Nietzsche e Llansol) com textos de Llansol sobre este seu «escritor-guia», retratos pouco conhecidos e fotos dos lugares do filósofo na Alemanha, e reprodução de muitos pormenores da marginalia de Llansol nos seus exemplares das obras de Nietzsche.


14.4.15

NIETZSCHE E LLANSOL NA «LETRA E»


No próximo sábado, dia 18, às 16 horas, voltamos à «Letra E» do Espaço Llansol para um encontro entre Nietzsche e Llansol. Figura com facetas múltiplas nesta Obra, o filósofo do Eterno Retorno e «homem do livro» será apresentado, nas suas ligações ao texto llansoliano, por Isabel Santiago, professora de Filosofia e legente entusiasta desta Obra. Revisitaremos o video de Daniel Ribeiro Duarte sobre Nietzsche (feito em dois dos seus lugares na Alemanha, para a exposição do CCB em 2011) e ouviremos música composta pelo filósofo. E não faltarão as leituras de textos cruzados, como habitualmente. E um «Caderno da Letra E» com fragmentos inéditos de M. G. Llansol e alguns aspectos menos conhecidos da vida e Obra de Nietzsche.

6.4.15

«LETRA E» : O PRÓXIMO TRIMESTRE

O próximo trimestre na «Letra E» do Espaço Llansol vai proporcionar mais dois encontros com figuras decisivas da Obra de Llansol: Nietzsche (já em 18 de Abril) e Vergílio Ferreira (em 6 de Junho. Para estas sessões convidámos legentes especializados que nos falarão das ligações de Llansol com estas duas figuras do pensamento e da escrita. Depois, teremos mais três sessões porventura algo inesperadas: uma leitura encenada pelo actor Diogo Dória e estudantes de teatro da ESAD-Escola de Artes e Design das Caldas da Rainha, a partir de capítulos escolhidos de Contos do Mal Errante, explorando pela primeira vez o tema do erotismo na escrita de Maria Gabriela Llansol (em 9 de Maio); um diálogo talvez surpreendente entre escrita inédita de Llansol e o diário de João Barrento 'Como um Hiato na Respiração', centrado no tema da «morte livre», que sairá na Editora Averno e será apresentado pelo escultor Rui Chafes (em 30 de Maio); e finalmente (em 20 de Junho) um sector ainda desconhecido do espólio, a iconografia llansoliana, que daremos a ver pela primeira vez, e que será comentada pela nossa colaboradora Teresa Projecto.


22.3.15

«UMA NOVA GEOGRAFIA»
A escola-outra

A tarde de ontem na «Letra E» animou-se de vozes e movimento diferentes dos mais habituais. Com crianças entre os três e os doze anos, com experiências participadas por grandes e pequenos, musicais, visuais e escriturais. Numa tentativa de aproximação à prática das escolas que Llansol e Augusto Joaquim fundaram na Bélgica, nos anos setenta.



A música abriu a tarde, com Paulo Sarmento a conduzir, primeiro, um exercício sobre as capacidades do corpo e das suas «janelas» para receber e retribuir estímulos e imagens, ao som das suites para violoncelo de Bach («Descascar laranjas ouvindo Bach, ou o lugar do corpo que recebe»). Depois, evocando os «sinestetas», compositores que viram sensações e cores na música e música nas cores – como Scriabin, Messiaen ou o americano Michael Torke – ensaiou «exercícios sinestésicos» a partir de frases de Stockhausen (da obra «Dos sete dias»), envolvendo todos os ouvintes com o corpo e a voz, com a imaginação e os instrumentos de percussão disponíveis. Mas também com as sensações derivadas do toque, do cheiro e do gosto das laranjas e tangerinas que trouxe, e todos sentiram, tocaram, abriram e comeram.


Das cores que sugerem notas musicais passámos às cores que geram formas e se combinam com o vivo de folhas, fios, frutos. Teresa Projecto guiou e deixou mão livre aos mais pequenos, que criaram obras que ainda mostraremos melhor num caderno que faremos com os trabalhos resultantes destes ateliers. O soalho da sala renasceu, semeado de grandes e pequenas folhas de papel que davam contra dos resultados do trabalho com a imaginação visual e cromática das crianças.


Finalmente, a cozinha da Letra E e a sua mesa redonda transformaram-se em oficina de escrita, com alguns meninos e meninas a escutar o silêncio, sob o olhar de Albertina Pena. Daí nasceram exercícios rudimentares dos que ensaiam as primeiras letras, breves narrativas e bandas desenhadas, que o caderno futuro dará também a conhecer – com assinatura, tal como os desenhos e as pinturas.
Os que foram ontem à Letra E, pequenos e grandes, conscientemente ou sem darem por isso, levaram à prática os seis critérios que Augusto Joaquim formulava assim há mais de quarenta anos, num dos textos fundadores dessa «escola-outra» que foi A Escola da Rua de Namur de Lovaina (e a sua continuação na «La Maison»):
1. sentir-se bem, consonante com o seu corpo;
2. saber falar com o seu interlocutor:
3. saber escutar e saber fazer silêncio («quem não tem orelhas, não tem boca»; «quem não tem boca, não mostra os olhos que tem»);
4. ser sensível ao humor;
5. acreditar no seu sonho, na realidade motora do seu sonho, e no sonho que alimenta o grupo;
6. saber ver, discutir, agir em conjunto.

O vídeo que se segue dá uma entrada nesta tarde diferente:


18.3.15

A «LETRA E» 
É DAS CRIANÇAS!

No próximo sábado, 21 de Março, a partir das 16 horas, a «Letra E» do Espaço Llansol vai ser das crianças. Na sequência da última sessão, em que se falou dos princípios pedagógicos e das práticas das escolas criadas por Maria Gabriela Llansol e Augusto Joaquim na Bélgica, vamos tentar reconstituir ateliers de escrita, de desenho/pintura e de música seguindo alguns desses princípios das escolas da Rua de Namur e La Maison.


Os adultos podem e devem participar e colaborar, e as actividades distribuir-se-ão por três grupos em áreas diferentes da «Letra E». O resto fica entregue à imaginação das crianças que vierem, sob orientação de

Albertina Pena       Teresa Projecto      e  Paulo Sarmento 
(escrita)                 (desenho/pintura)                  (música)


«Havia longas horas em que crianças e adultos desenhavam a brincar como amigos que jogando descobrem que deram seus passos e estão agora um pouco mais além.» 
(M. G. Llansol)